domingo, abril 24, 2011

CONTRA o "kit gay"

Sim, meus amigos homossexuais, sou contra.

Agora querem distribuir nas escolas de PRIMEIRO grau (po, la criança vai entender desse assunto?) DVDs "informando" sobre a homossexualidade nas escolas. Pode?

Nao, nao pode. Ou nao deve.

É um assunto dificil. Quem me conhece pessoalmente sabe que eu respeito o direito de cada um de manifestar sua sexualidade. Trabalho com homossexuais que sao pessoas fantasticas e profundamente respeitosas e amigas. Acredito ser o padrao. Sempre tem a bicha afetada, mas no fundo é ate divertido. O que nao me agrada, é quererem empurrar isso guela abaixo das crianças sem nem saber o que é.

Me lembro quando eu era pequeno, de ter assistido uma propaganda do PCdoB na TV, pegar o telefone e ligar imediatamente para o partido, querendo me filiar. Nao vou entrar no merito de estar certo ou errado, apenas vou dizer que HOJE eu nao faria a mesma coisa, por nao concordar com as ideias do partido. Criança, aceita qualquer coisa. Se voce diz pra ela que um estuprador é bomzinho e ele foi apenas uma "vitima do sistema", a criança acredita e fica do lado do estuprador.

Informacao mal-direcionada e mal-explicada a criança, tende a criar confusao.

Caros homossexuais, defendo ate a morte seu direito de ser homossexual. Mas defendo ate a morte o meu direito de nao considerar isso "normal". Da mesma forma que nao considero normal dois homens trepando. Façam o que quiserem, mas dentro de suas casas. Fora das suas casas, comportem-se como pessoas "normais". Nao venham dizer que se agarrar na rua é normal. Há homens para se agarrarem com mulheres, e mulheres para se agarrarem com homens. Nao estou colocando Deus, muito menos a biblia nessa jogada. Só nao quero que ensinem as pessoas menos avisadas que homem beijando homem é normal, e que mulher beijando mulher é normal. NAO É. Voce nao joga gasolina pra apagar fogo de gasolina. Voce joga terra, joga agua, mas nao joga gasolina, nao é?

Vamos ser sinceros: Homossexualismo nao é a nova moda. É um desvio de conduta que pode e DEVE ser respeitado. O * é do cara, e ele dá pra quem quiser. O coração é do cara e ele ama a quem ele quiser. Mas da mesma forma que devemos respeitar o desejo e o amor dos homossexuais, eles tambem devem respeitar ao pai que nao quer que seu filho de 8, 10 anos, veja dois homens se beijando.

Que tal começarmos a deixar a soberba de lado, sermos mais serenos e começarmos a discutir o assunto sem a violencia verbal do Bolsonaro (sou fã dele!) nem a soberba do homossexual militante tipico, que EXIGE ser aceito de roupinha colorida e trejeitos de bicha afetada no local de trabalho?

Esse post é uma chamada para conversa, e nao um ataque aos homossexuais. Por favor me entendam antes de atacarem.

10 comentários:

PEREIRA disse...

Seu comentário "É 10"

Bem escrito, bem fundamentado. Muita gente aquí no ES,que "se acha" tem restrições a você, falam isso e aquilo, mas isso são êles; de minha parte continuo apreciando sua inteligência, discernimento e amizade.
Em tempo: Ficou surpreso com minha visita no blog? vez em quando passo por aguí.
Visite meu blog
www.gosteidessarusso.blogspot.com
Big 73
Pereira PP1NY

Emerson disse...

Olá, gostei muito do paralelo que fez com sua experiência quando criança.

Acho que antes de mais nada as pessoas precisam assistir aos vídeos para ter opinião própria, senão serão apenas repetidores.

Veja os três vídeos:
http://blog.antinovaordemmundial.com/2011/04/video-indignacao-tres-filmes-em-do-kit-gay-vazam-no-youtube/

Se quiser ponha os vídeos no seu próprio post.

E vocês sabiam que em uma pesquisa se verificou que um tipo de pássaro ao receber uma certa dose de mercúrio passou a ter comportamento gay? Não que esta seja a regra, mas deveria ser melhor estudado as implicações externas e disfunções hormonais...

http://super.abril.com.br/blogs/cienciamaluca/mercurio-faz-passaros-virarem-gays/

Leo disse...

Cara, entendo seu ponto de vista mas não apoio. Crianças são sobrecarregadas de informações sobre assassinatos, roubos e violencia em jornais, TVs e internet. Acha isso menos prejudicial a uma criança que veja dois homens se beijando? Você não gostaria que um filho seu visse a cena por qual motivo? Medo dele se tornar um homossexual? Ou porque você acha que dois homens se baijando feri a integridade moral do "homem" perante a sociedade?
Poxa, se tem amor envolvido seria melhor uma criança ver isso e nós ensinarmos: Eles fazem isso porque se amam!
O que falta na sociedade é a maturidade para aceitação do que fogem da triste paralavra normal.
Desculpe, mas seu texto tava muito legal no primeiro e segundo parágrafo mas depois você se mostrou muito preconceituoso. E cá pra nós, falar que respeita e dizer que não acha isso normal da forma que falou....pra mim não existe respeito nenhum. Agressivo seu texto!

joaocadaval disse...

Leo escreveu: "Crianças são sobrecarregadas de informações sobre assassinatos, roubos e violencia em jornais, TVs e internet. Acha isso menos prejudicial a uma criança que veja dois homens se beijando?". É exatamente esse o ponto, já são tantas coisas acontecendo que não são normais... Já é tão difícil encinarmos nossos filhos a fazer a coisa certa. Pra que colocar mais esse grilo na cabeça das crianças. Homem nasceu pra casar com mulher e vice versa. Qualquer coisa fora disso não é normal.
O próprio Leo mostra o quanto essas informações são prejudiciais ao querer classificar o dano que podem causar comparando-as com roubos e assassinatos.

Leo disse...

Não quis comparar relacionamento homoafetivos ás coisas negativas da sociedade. Não coloque "palavras na minha boca". Roubo e assassinato são uma coisa, relacionamento entre duas pessoas é muito diferente. Rídiculo dizer que isso ajuda a sobrecarregar as crianças. Hipocrisia demais, de pessoas involuídas. Normal um relacionamento hetero? Isso dizem só pro conta da anatomia de ambos os sexos. E onde fica o relacionamento entre dois hetreros obesos em que a anatomia não os favorecem à cúpula?
Joaocadaval, tirar trechos de um racíonio e interpretá-los da forma que quiser chega a ser imoral.
No mais....o anormal aqui é vc!

joaocadaval disse...

Leo, me parece que vc está alterado! Estou aqui defendendo meu ponto de vista e não tenho a intenção de te ofender. Ao citar um trecho do texto que tu escreveu apenas expus o que entendi. Quando vc escreve algo as pessoas, nem sempre, vão interpretar da maneira que você quer. Da mesma forma que vc interpretou ofensivamente o que eu escrevi.
Talvez eu seja "involuido” mesmo. Pois, eu não concordo com muitos outros novos costumes da sociedade moderna . Talvez eu seja “anormal”, por não aceitar esses novos costumes.
O homossexualismo meche com questões emocionais e muito mais complexas do que formas anatômicas. Não dá para vc defender seu ponto de vista fazendo comparações. Vc sente e pronto, até hoje ninguém conseguiu explicar o amor.
Só que o que é normal para vc pode não ser pra mim, isso vai depender da forma como você foi criado e os valores que lhe foram passados. Se eu viesse a me apaixonar por outro homem, não aceitaria e iria procurar um médico. Pois pra mim, não seria normal isso acontecer.
Não acho normal dois homens se beijando e não quero que meus filhos vejam esse tipo de cena antes que tenham idade para entender o que estão vendo. Tenho um casal e educo e oriento cada um conforme o seu sexo. Se no futuro um deles vier a amar alguém do mesmo sexo, vou aceitar. Mas, isso não quer dizer que vou achar normal e gostar de vê-los se beijando.
Esse é o meu ponto de vista e não quero convencê-lo a aceita-lo, da mesma forma que não quero que façam isso com meus filhos.

Valdicéia Mendonça disse...

Muito bom!!!
Estou te seguindo, me segue também.
Beijos!!!

Ricardo disse...

Arre, toda vez q comento aqui, dá vontade de postar no meu blog... Bem, vou fazê-lo. =)

Fabiano disse...

pow ele falou de forma limpa e clara toda a minha maneira de pensar

cRiPpLe_rOoStEr a.k.a. Kamikaze disse...

É mesmo uma pouca-vergonha esse "kit-gay". Acaba sendo parte dessa doutrina de uma falsa "correção política" que os comunistas/anarquistas e outros istas vem tentando impor para promover uma desestabilização do núcleo familiar tradicional. Quando se perde o respeito pela família, não se respeita mais nada, e fica fácil para impor comportamentos marginalizados como se fossem o normal.