sábado, agosto 06, 2005

Porque ficamos pra tras na corrida tecnologica

"O Brasil nao é um pais de governantes serios!" - Alexandre Souza

Estava conversando com um chapa meu la de fora me falando de um projeto que ele estava fazendo envolvendo um FPGA de ultima geração, entre outros componentes NAO encontraveis aqui no mercado Brasileiro. Me deixou tao irritado que eu resolvi dar um "passeio" pela cena tecnologica Brasileira.

Eu vou falar por exemplo de uma discussao que eu tive ha alguns dias com um desenvolvedor brasileiro, o qual nao apenas admiro como tambem respeito. Porem discordei veementemente dele quanto a uma questao de um programa que ele fez

Ele é o criador de um browser web para micros MSX (pra quem nao conhece, use o google) que é, no minimo, "capenga". Desculpe RicBit, ja discutimos sobre isso. O Browser precisa de um PC para pegar as paginas web, converter para o formato do Fudebrowser e só dai ver as paginas (capengas) no MSX. Ok, é uma grande realizacao tecnica para um micro de 3.5 MHz e 64K de memoria. Mas....

Estava discutindo com ele justamente a "utilidade" de tal browser, uma vez que nem placa de rede decente pra MSX tem, ainda mais funcionando da forma que ele criou, e ele verborragiou "o projeto foi escolhido pela USP para uma concorrencia de um "dispositivo de acesso de baixo custo" e ganhou a tal concorrencia.

Espanta-me tamanha estupidez.

Um "dispositivo de acesso de baixo custo" que utilizasse tecnologia "genuinamente brasileira" (ei, desde quando TMS9128 e Z-80 sao brasileiros?!?!) e que usasse o browser dele, seria simplesmente INUTIL. Porque custaria caro, precisaria de uma infra-estrutura propria (pra converter os bilhoes de paginas web para o formato PROPRIETARIO e FORA DE PADRAO do browser) e ainda por cima sofreria do efeito "Emobras" de galope de preços. Nao era mais facil reciclar pentiuns antigos rodando linux??? Um padrao contra uma aventura louca da USP.

Eu to mostrando isso, pra mostrar quanto o "academico" padrao é meio desligado da realidade. Outro dia o Dal Poz me falou que pagava mais de 10 reais em um chip TTL, e que isso era coisa do passado. Ora, tem chip TTL em tudo que é buraco, aqui eu pago 1-2 reais cada chip desses, e estou num buraco chamado Espirito Santo, e ele na grande Sao Paulo. Vai entender. Esses caras parecem que vivem em outro mundo!

Desenvolvimento? Desenvolvimento só se consegue quando há investimento, quando há boa vontade e quando há liberdade. Boa-vontade o Brasileiro tem de monte, mas investimento e liberdade? Pagamos fortunas para importar chips dos USA, temos que recorrer a "expedientes" para poder importar chips em quantidades UNICAS para um prototipo ou uma experiencia. O governo ta pouco se lixando pras faculdades, quem as administra nem sempre é o mais indicado, politica rola solta dentro do meio academico

PARA O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!!!

O Brasil só vai pra frente o dia que o nosso corpo academico se abrir pro mundo. Outro dia eu doei pra UFES dois integrados 74F125 SMD. Sabe onde tinha isso? NA MINHA SUCATA. E a UFES nao conseguia sequer comprar os integrados. Nao é falta de dinheiro, é falta de COMPETENCIA do seu reitor e dos seus subordinados. Arguido o "porque" de nao se achar esse integrado, ele respondeu "a UFES nao me permite comprar, nem libera verba pra tal" ou seja, VAI FICAR SEM FAZER, nao há programas de reciclagem de sucata, nao há conscientização dos alunos sobre como reciclar sucata, ta tudo errado!

E as faculdades-caça-niqueis? Eu quando fiz Eng. Telecom, eu dava aula pro professor de introdução a processamento de dados. O cara nao sabia sequer limites em numeros de outras bases, sequer converte-los de cabeça. Isso é professor? E o professor de robotica que sabia (muito) menos que eu? Eu nao sou formado e sei mais que um professor? Tem alguma coisa errada.

A realidade é uma só: As faculdades caça-niqueis sao pessimas. Poucas sao boas, mas só a elite tem acesso. As publicas estao cheias de pessoas da elite - que tem dinheiro para pagar cursinhos. E mesmo assim tem um ensino muitas vezes pobre e limitado. Fora que aqui no ES, é o estado do "quem indica". Ou seja, os incompetentes de familia "boa" vao para postos onde deveriam estar os mais competentes.

É tudo uma merda só, da-me nojo as vezes.

E isso só me deixa mais irritado.

Um comentário:

Anônimo disse...

Projetos como deste browser só servem para uma coisa: encher (ainda mais) o ego dos programadores, do que atender alguma demanda social ou auxiliar alguém... coisa típica de uma cultura latina, com complexo de inferioridade crônica...